Alunos SODIPROM promovem formação básica de segurança no trabalho

 

Como conclusão do Módulo de Segurança, os usuários da Turma 6E, preparam uma apresentação para seus colegas usuários da formação básica para o mundo do trabalho chamado SODIPAT, que significa SODIPROM na Prevenção do Acidente de Trabalho. O evento ocorreu dia 29/10, no RECAD, e teve algumas particularidades interessantes como a palestra e teatro sobre qualidade de vida, onde foram abordados os temas: saúde física, mental e emocional, boa noite de sono, dicas para uma boa alimentação e uso de drogas. Leia mais Continue reading

FUI REPROVADO NO PROCESSO SELETIVO, E AGORA?

"Cada não que eu recebi na vida, não os colecionei. Não foram sobrevalorizados. Esperei, sem pressa, a hora do sim.”

(Martha Medeiros)

Uma das coisas mais difíceis para quem está em busca de uma oportunidade no mercado de trabalho, é saber ouvir o “não”. E olha que essa é a coisa mais comum de se ouvir, por isso, é importante saber encarar essa negativa para não desanimar e seguir em frente em busca daquele emprego que tanto deseja.

Sofrer rejeições faz parte de todo o processo de amadurecimento e aprendizado, onde o grande diferencial está em saber como lidar com essa rejeição.

Aprendi que a frustração ocorre, quando colocamos expectativas demais em determinada oportunidade.

Mas vamos lá! Cá entre nós!

Não colocar expectativa em uma determinada oportunidade é quase que impossível, pois para nós, cada entrevista agendada é a chance de recolocação e de mudarmos de cenário. Costumamos nos “ver” na empresa trabalhando, almoçando com nossos futuros colegas de trabalho, inclusive.

E quando vem a negativa, como nos sentimos? Incompetentes? Frustrados? Rejeitados? Somos péssimos profissionais?

Não! Nada disso! Já parou para pensar que o seu perfil talvez não seja o ideal para a empresa naquele momento? Ou a empresa não é bem como você pensa que seja?

Ser aprovado em um processo seletivo conta com alguns fatores que estão além das suas habilidades e capacidades, tais como, a cultura organizacional da empresa, o perfil do gestor que requer o profissional, a empatia dos envolvidos, dentre muitos outros quesitos.

Como encarar o “não” de forma positiva?

Eu posso ajudar com algumas dicas:

  1. Nunca aposte todas as fichas: receber uma ligação agendando uma entrevista para uma vaga em uma grande empresa e com o salário que sempre sonhou, é uma ótima notícia com certeza. Tenha em mente que a entrevista é apenas uma etapa de todo o processo. E mesmo tendo uma entrevista agendada não descarte outras ofertas de trabalho, continue enviando seu currículo e esteja preparado caso aconteça uma rejeição para a sonhada vaga, pois assim você não desanima e segue em frente na sua luta em busca da tão sonhada vaga de emprego.

  1. Solicite um feedback: Envie um e-mail formal ao RH da empresa, ou caso tenha o e-mail do recrutador é melhor ainda, comente que você ficou feliz em participar do processo seletivo e gostaria de saber os motivos que levaram a sua reprovação na entrevista, para que assim possa buscar melhorar esses pontos negativos e consequentemente tornar-se um profissional melhor. Claro, esteja ciente que nem todas as empresas irão fornecer tais informações, mas caso forneçam, seja receptivo e maduro para fazer uma autoavaliação.

 

  1. Atitude positiva: Encare cada rejeição como uma oportunidade de aprendizado de melhorar ainda mais e mantenha sempre o foco no seu objetivo principal que é conquistar uma grande oportunidade de trabalho.

  1. Seja você mesmo, respeite quem você é: As pessoas vão te reconhecer e te respeitar por quem você realmente é e não por quem você tenta ser. Da mesma forma, uma organização irá reconhecer seus talentos e habilidades se você mostrar isso de uma forma verdadeira.

Boa sorte!

Até a próxima! Tatiana Santos

Especialista em T&D

 

FUI DEMITIDO, E AGORA?

Fired Caucasian businessman carrying personal belongings

Para todo fim, um RECOMEÇO!

Resolvi escrever este artigo para ajudar outras pessoas que, assim como eu, estão em busca de recolocação profissional.

Antes de qualquer coisa, muito prazer!

Meu nome é Tatiana Santos e sou especialista em Treinamento e Desenvolvimento Profissional. Formada em Gestão de Recursos Humanos com pós-graduação em Gestão de Pessoas, desenvolvi minha carreira profissional na área de treinamento.

Estou disponível para o mercado de trabalho há quase um ano, durante o ano passado, pude perceber que as empresas estavam se protegendo da crise econômica e retendo as oportunidades de contratação. Resultado disso foram os processos seletivos dos quais eu participei que tiveram suas vagas canceladas.

Sim, senti e sinto na pele a dificuldade de recolocação, e não por falta de qualificação ou expertise minha, mas sim por falta de oportunidade no mercado de trabalho.

Quando somos desligados da empresa, é natural nos sentirmos impotentes e perdidos, como se não soubéssemos mais para qual direção estamos indo. Outra característica presente é a sensação de desespero relacionado às suas responsabilidades financeiras, sonhos e desejos.

Claro, são inevitáveis essas e outras sensações, mas a vida precisa seguir e a recolocação profissional precisa acontecer o quanto antes.

O que precisamos fazer nesse momento de dificuldade é driblar a crise e acreditarmos em nós mesmos, em nosso potencial, arregaçar as mangas, sacudir a poeira e ir à luta!

Isso mesmo!

Partir em busca de trabalho.

E o que fazer?

Pratique o desapego. Acredite! Tudo tem um motivo e uma lição a ser aprendida. Organize sua rotina e tenha uma lista de empresas que melhor apresentam oportunidades compatíveis com seu perfil. Prepare-se para essa fase e planeje suas despesas, pois você não sabe por quanto tempo ficará nessa condição. Corte gastos desnecessários e lembre que o seguro-desemprego tem limite e, sobretudo, não se acomode. Mantenha uma boa aparência, permaneça saudável fisicamente e mentalmente. Demonstre energia, otimismo e foco em resultados. Por mais difícil que possa ser, você precisa passar por cima dessa condição e seguir em frente.

Não deixe a estima cair. Isso porque é preciso manter a cabeça erguida para ir em busca de uma nova colocação no mercado de trabalho.

Esteja perto de pessoas que o queiram bem. Ter fé e manter o equilíbrio emocional nesse momento será muito importante.

Até a próxima!

Tatiana Santos

Especialista em T&D

Lideres com o toque de midas

Uma grande parte de nos já teve contato com lideres que obtinham resultados bem acima da média, e eram admirados por suas equipes, pares, superiores e parceiros. Uma grande liderança como esta possui duas dimensões bem distintas, a parte Racional (estratégias, processos, e toda parte técnica necessária de um gestor), e a parte emocional ( gestão de pessoas, relacionamento interpessoal, liderança, conhecimento da cultura organizacional, entre outras). A capacidade do Lider de desenvolver estas duas dimensões será altamente responsável pelos resultados que obterá em seus desafios. Podemos alavancar 5 características principais destes indivíduos. 1. Visão de futuro Esta ligado a capacidade do líder de ter um proposito significativo para a empresa, para as pessoas, para a sua liderança, e compartilha-lo de forma empoderante com os envolvidos de forma a mobiliza-los em uma direção. 2. Credibilidade É a capacidade do líder de pensar, sentir e agir de forma coerente e justa gerando confiança e clareza. 3. Relacionamento mobilizador Esta capacidade leva o líder a se comunicar e se relacionar com todos os envolvidos de forma a gerar uma mobilização não só racional, mas principalmente emocional em direção aos objetivos desejados. 4. Comportamento agridoce Este talvez seja um dos comportamentos mais tênues a serem trabalhados, pois é quando o líder tem a capacidade de trabalhar com a “dor e o prazer” de forma adequada das pessoas a fim de movimenta-las na direção correta, sem comprometer o ambiente corporativo, pelo contrario criando ambientes positivos e motivadores. 5. Autoconhecimento elevado O autoconhecimento elevado faz com que estes lideres saibam exatamente seus pontos e fortes e áreas a serem desenvolvidas, aproveitando assim de forma significativa as oportunidades e agindo estrategicamente com as ameaças que possam impedir o alcance dos objetivos.   Vale salientar que dois pontos são importantíssimos para estes indivíduos, são pessoas altamente motivas e o sucesso deve fazer parte de sua caminhada, pois além de ser combustível próprio, todos gostam de seguir pessoas motivadas e de sucesso. Por Adam Nockel http://www.adamnockel.com/blog/lideres-com-o-toque-de-midas/

6 competências de quem é promovido em plena crise

Competência

Num momento em que tantas empresas cortam investimentos e optam por demissões em massa, sonhar com uma promoção parece loucura. Mas não é. De acordo com Lucas Nogueira - Gerente Sênior da Consultoria Robert Half, o processo de ascensão profissional sofreu grandes transformações com a crise econômica, mas continua sendo possível. “Até dois ou três anos atrás, haviam muitas posições em aberto, inflação salarial e uma relativa facilidade em almejar um novo cargo. Era um cenário irreal,” afirma o especialista. Hoje, com a escassez de recursos a distribuição de promoções ocorre de forma mais criteriosa e, na opinião de Nogueira, meritocrática. "Mais do que nunca o executivo está sendo testado e precisa realmente se provar para subir hierarquicamente," explica ele. Embora mais raras e disputadas, as promoções seguem acontecendo para profissionais que revelam certas competências técnicas e comportamentais. Veja a seguir algumas delas:

1. É flexível

O acúmulo de trabalho imposto pela crise revela quem são as pessoas mais “elásticas” da equipe. Enquanto algumas não aceitam fazer nada além das tarefas que ‘são pagas para fazer’, outras estão dispostas a incorporar novas atribuições sem se queixar. O segundo grupo tem mais chance de ganhar visibilidade na empresa e receber uma promoção hoje ou num futuro próximo.

2. Dá resultados mensuráveis

Quem é improdutivo não corre apenas o risco de não ser promovido: sua própria permanência no emprego está sob ameaça. Mais do que nunca, as empresas buscam e recompensam profissionais com alto rendimento. As promoções têm sido cada vez menos políticas, como no passado, e cada vez mais técnicas ou científicas, com base em números que comprovam a produtividade de cada um.

3. É capaz de ser líder mesmo sem ser chefe

Quem pretende galgar posições hierárquicas deve mostrar potencial para gestão. Em outras palavras, mostrar-se capaz de ensinar, inspirar e unir os demais, mesmo sem ocupar formalmente um cargo de chefia. Para liderar, é importante saber se comunicar de forma clara e didática, além de esbanjar inteligência emocional.

4. Não se deixa contaminar pela melancolia coletiva

A boa gestão das emoções não serve apenas para se posicionar como um líder natural da equipe: ela também é fundamental para manter o seu discurso positivo em meio ao desânimo geral causado pela crise. Espalhar negativismo entre os colegas, maldizer o chefe ou alimentar fofocas são atitudes que eliminam qualquer chance de crescimento na empresa. Quem tem potencial para ser promovido faz o contrário: tem um discurso otimista, resiliente e com foco no trabalho.

5. Investe em habilidades técnicas

Apostar numa pós-graduação é tão indispensável quanto garantir a qualidade das suas tarefas operacionais e por isso, tais atitudes tornaram-se decisivas na crise. As empresas precisam mais do que nunca de profissionais com excelência técnica. É fundamental exibir competências úteis para o dia a dia, como o domínio efetivo do inglês e das novas tecnologias.

6. Permanece curioso

O fantasma da demissão e o excesso de trabalho, duas consequências inevitáveis da crise, jogam contra o interesse e a disponibilidade de muita gente. Quem consegue fugir a essa regra se dá bem. Chama a atenção quem continua curioso para aprender e se mostra entusiasmado em discutir novos projetos. FONTE: EXAME.COM

18 cursos gratuitos para empreendedores crescerem mais errando menos

por TBS Consultoria http://www.tbsconsultoria.com.br/2016/05/27/18-cursos-gratuitos-para-empreendedores-crescerem-mais-errando-menos/ As empresas irão sempre errar até acertar, não temos como impedir isso. Mas você sabia que existe uma maneira de crescer errando menos? A Endeavor acompanha o dia a dia dos empreendedores há mais de 15 anos, por isso sabemos que os desafios são muitos, e que quanto mais eles se capacitarem e sentirem que não estão sozinhos nessa jornada, menores serão os seus erros ao crescer. Foi pensando nisso que decidimos tornar gratuitos todos os nossos 18 cursos online, com conteúdos práticos e ferramentas aplicáveis, feitos de empreendedor pra empreendedor. CONHEÇA TODOS OS CURSOS - https://endeavor.org.br/cursos/ Não, você não leu errado. Agora você pode encontrar gratuitamente e a hora que quiser, desde a solução para aquele problema financeiro que não te deixa dormir já faz uma semana até novos métodos para engajar o time no seu sonho. É uma oportunidade única de aprender com quem já passou pelas mesmas dores que você passa, como Steve Blank, empreendedor serial e um dos maiores professores de empreendedorismo do mundo, e com cases de empresas reais como Spoleto, Prática Fornos, Enox, MXT, Natura, Acesso, e muitas outras. Ibrahim Facuri, sócio do Hospital Jacob Facuri, em Goiânia, diz que “sempre quis fazer diversos MBAs, mas como empreendedor faltava tempo. Os cursos online da Endeavor se encaixaram perfeitamente na minha necessidade, pois são rápidos, focados na prática e com todos os assuntos que o empreendedor precisa saber para ter uma visão global do seu negócio”. Que tal conhecer? 1. Como Construir a Empresa Certa para os Clientes Certos Neste curso, Steve Blank te ensina a mergulhar na cabeça dos seus clientes e entender exatamente o que eles querem do seu produto/serviço e como você deve entregá-lo. 2.Como aumentar e gerenciar suas vendas Thiago de Carvalho, especialista em empreendedorismo e vendas, ensina como os empreendedores podem aprimorar seu processo de vendas e fidelizar cada vez mais clientes. Além disso, depois do curso você saberá identificar a diferença de venda consultiva e venda transacional, definir estratégias de canais de distribuição e entender o que compõe todo o processo de vendas. 3. Ferramentas práticas de Inovação: inovar para se diferenciar Você já se perguntou quais as ferramentas inovação que algumas das melhores universidades do mundo como Stanford, Harvard e MIT ensinam paras as empresas se diferenciar no mercado? Nesse curso, Maximiliano Carlomagno conta um pouco sobre essas ferramentas e mostra, por meio de cases como o de Luiz Rezende, Empreendedor Endeavor e fundador da Prática Produtos, como isso pode ser feito na prática. 4. Planejamento Estratégico para Empreendedores Sabemos que nenhuma atitude deve ser tomada com base em achismos, por isso, nesse curso, você irá aprender a analisar o cenário da sua empresa e do mercado em que ela está inserida e também a criar, com base nesses resultados, alternativas estratégicas e melhor caminho pra guiar a sua organização. Para ajudar a ilustrar, apresentamos o caso de Ernesto Villela, Empreendedor Endeavor e fundador da Enox. 5. Finanças Básicas para Empreendedores O curso ensina aos empreendedores como evitar os principais erros cometidos na hora de fazer um planejamento financeiro. Também são apresentados cases reais de empreendedores que mostram como compreender finanças é essencial para garantir a saúde financeira do negócio, como Francisco Jardim, Mentor Endeavor, fundador e diretor do SP Ventures. 6. Financiando seu sonho: a melhor forma de buscar recursos para seu negócio Nesse curso, Daniel Ibri e Marcelo Nakagawa, mentores Endeavor, falam sobre uma das maiores dores dos empreendedores: acesso à capital. Por meio desse curso você aprenderá a entrar na agenda dos investidores, conquistar crédito com os bancos e receber aporte de linhas de fomento governamentais. 7. Primeiros passos para montar seu negócio Verônica Mussi ensina como validar e testar o conceito do seu negócio, antes de lança-lo no mercado, estimar os custos iniciais da operação e fazer um pitch para os investidores. Para ajudar ainda mais, também serão utilizados cases de empreendedores reais, como o do Romero Rodrigues, Embaixador Endeavor e fundador do Buscapé. 8. Startup: Ferramentas essenciais para começar seu negócio Depois de entender melhor quais os passos para montar um negócio, chegou a hora de identificar e validar qual é o problema ou a dor do seu potencial cliente, validar a proposta de solução do seu produto ou serviço (MVP) e estruturar um modelo de negócio – Canvas. Rafael Duton e Luís Novoensinam como as ferramentas certas podem transformar suas ideias em negócios reais. 9. A arte do recrutamento: como atrair os melhores profissionais para seu negócio Todo empreendedor que quer crescer precisa de gente boa, por isso trouxemos Sandra Betti, Mentora Endeavor e especialista em recrutamento e gestão de pessoas para te ensinar como atrair os talentos ideais para o seu negócio. Com a ajuda de cases reais, como o de Ruy Shiozawa, CEO do Great Place to Work, o curso demonstra qual o lugar do empreendedor no processo seletivo e muito mais. 10. Gestão de Pessoas: Como construir uma equipe forte Que tal aprimorar as suas habilidades como líder, aprender como motivar e recompensar os seus funcionários e criar e cultivar uma cultura organizacional? Alvaro Cardoso Armond, sócio-Diretor da Vartika, empresa que atua na área de Desenvolvimento Comportamental orientado para Resultados Organizacionais, irá te guiar pelo curso, apresentando cases como o de Dave Goldberg, CEO do Survey Monkey. 11. Perfil empreendedor: como identificar oportunidades com a sua cara Você sabe quais são as características de um empreendedor de sucesso? Aprenda com Verônica Mussi a aproveitar as oportunidades para se tornar um grande empreendedor, identificar quais são as técnicas de geração de ideais e como construir uma rede de relacionamentos. Aplicando a teoria em prática, você conhece o case de Caio Bonatto, Empreendedor Endeavor e fundador da TecVerde. 12. Como criar um negócio para a população de baixa renda Desenvolver um negócio de alto impacto que trabalhe com a população de baixa renda de uma forma mais inclusiva é um grande desafio. Para te ajudar nessa trajetória, Edgard Barki ensina os empreendedores a compreender o comportamento do consumidor com base em diversos fatores. Para ajudar a compreender ainda mais o cenário, analisamos o case do Thomaz Srougi, Empreendedor Endeavor e sócio-fundador do Dr. Consulta, empresa B2C de Serviço no segmento de saúde. 13.Como fazer uma pesquisa de mercado eficiente Saber como construir pesquisas de mercado é algo extremamente útil para os empreendedores, pois possibilita a identificação dos desejos e dores do seu público e ajuda na tomada de decisões. Nesse curso, Cynthia Serva, coordenadora do Centro de Empreendedorismo do Insper, ensina como conhecer profundamente o seu público-alvo, por meio de diferentes formas de pesquisas, entender as principais características do seu setor e muito mais. 14. Como tornar seu negócio escalável e inovador Se você tem dúvidas sobre diferencial competitivo, quais as características dos empreendedores de alto impacto e como escalar o seu negócio, este curso é pra você. Sabemos que quando a teoria é aplicada na prática, ela faz muito mais sentido, por isso vamos te contar cases reais de empreendedores como Ozires Silva, fundador da Embraer, e muitos outros. 15. O Direito na Vida do Empreendedor O curso ajuda empreendedores a entender tudo sobre os aspectos jurídicos essenciais para o sucesso do seu negócio. Com a ajuda dos instrutores que atuam no Escritório Barbosa, Müssnich & Aragão, vencedor do Brazil Law Firm of the Year 2015 e de cases como o de Ricardo Buckup, fundador da B2 Agência, os conceitos de Direito ficarão simples e claros na mente do empreendedor. 16.Como Medir o Impacto Social do seu Negócio Daniel Brandão, especialista em avaliação de projetos e programas sociais, ensina os empreendedores a entender o que é uma avaliação de impacto e por que ela deve ser realizada, qual melhor tipo de avaliação dependendo da fase de maturidade do seu negócio, além de também explicar conceitos como a Teoria de Mudança e linha de Base e plano de Avaliação. Aprenda a medir, analisar, monitorar e mostrar o impacto social que seu negócio gera e alcance resultados mais atrativos. 17. Introdução ao Marketing para Empreendedores Tire as suas dúvidas sobre como criar uma estratégia de marketing e maximizar os resultados do engajamento de clientes, por meio de ferramentas de propaganda e publicidade, com Leonardo Filardi, especialista em negócios de alto crescimento. Com base em cases reais, como o de Lito Rodriguez, fundador da DryWash, defina sua estratégia de marketing, posicione sua marca e conquiste mais clientes. 18. Planejamento e Gestão da Equipes de Vendas Para te ajudar com as vendas, Maurício Vergani, Mentor Endeavor e Diretor de Negócios Corporativos da Oi, ensina como fazer uma gestão das oportunidade dentro do funil de vendas, realizar sessões de acompanhamento e controle do trabalho da equipe de vendas e compreender o papel do empreendedor na frente da equipe de vendas. Aprenda na prática, com cases reais como o de Rodrigo Azevedo, Empreendedor Endeavor e fundador do Grupo Comunique-se, a trazer os resultados que a empresa precisa. Correalização: Logo-Sebrae-SITE Fonte: Endeavor Brasil Acesso: 27 maio 2016

Rede de Gestores de RH do ABC visita sede do Linkedin em São Paulo

Membros da Rede de Gestores de RH do ABC visitaram nesta última terça feira 26 de Abril a sede do Linkedin em São Paulo, na ocasião foi firmado um compromisso de no mês de julho ser realizado um workshop sobre gestão de perfil, recrutamento e conteúdo empresarial do Linkedin na cidade de Santo André. Segundo Jessica Mendes da Moderna RH "O Linkedin é pouco utilizado na região do ABC, este workshop irá ajudar a difundir a ferramenta na região", para Marcelo Dantas da Prefeitura de Municipal da Estância Turística de Ribeirão Pires "Além do workshop vamos levar oficinas para as demais cidades do ABC, hoje é mais viável ao candidato a emprego ter um perfil atualizado no linkedin do que enviar CVs para empresas". Aos interessados fiquem atentos ao Portal Informa ABC onde divulgaremos data e local do evento.
Segue link
http://www.informaabc.com.br/empregos/id-351951/rede_de_gestores_de_rh_do_abc_visita_sede_do_linkedin_em_sao_paulo

Os erros de português mais comuns no mundo corporativo

Os erros de português mais comuns no mundo corporativo
1ª Parte
Certas competências são obrigatórias para profissionais de qualquer área. O domínio do português é uma delas.
Ainda sim, infrações à norma culta da língua são uma constante no mundo corporativo - e em qualquer nível hierárquico.
A alta frequência de erros reflete problemas na educação de base do brasileiro, segundo Rosângela Cremaschi, professora de comunicação escrita da Faap e consultora na RC7.
"No nosso país, geralmente não é preciso estudar muito para passar de ano", explica. "Por isso, a maioria não se aprofunda no próprio idioma e ingressa no mercado de trabalho com muitas dúvidas sobre o assunto".
Além de deficiências na formação básica, a falta de familiaridade com a escrita também contribui para o problema.
Segundo a professora, quem lê pouco - e escreve de forma mecânica - está mais suscetível a "atropelar" alguns preceitos básicos da língua.
Veja a seguir alguns erros de português mais comuns no mundo do trabalho de acordo com Rosângela. As informações foram retiradas da obra "Livro de anotações com 101 dicas de português" (Editora Hunter Books, 2014), de autoria da professora:
Anexo / Anexa
Errado: Seguem anexo os documentos solicitados.
Certo: Seguem anexos os documentos solicitados.
Por quê? Anexo é adjetivo e deve concordar em gênero e número com o substantivo a que se refere.
Obs.: Muitos gramáticos condenam a locução "em anexo"; portanto, dê preferência à forma sem a preposição.
"Em vez de" / "ao invés de"
Errado: Ao invés de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Certo: Em vez de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.
Por quê? Em vez de é usado como substituição. Ao invés de é usado como oposição. Ex: Subimos, ao inés de descer.
"Esquecer" / "Esquecer-se de"
Errado: Eu esqueci da reunião
Certo: Há duas formas: Eu me esqueci da reunião. ou Eu esqueci a reunião.
Por quê? O verbo esquecer só é usado com a preposição de (de - da - do) quando vier acompanhado de um pronome oblíquo (me, te, se, nos, vos).
"Faz" / "Fazem"
Errado: Fazem dois meses que trabalho nesta empresa.
Certo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.
Por quê? No sentido de tempo decorrido, o verbo "fazer" é impessoal, ou seja, só é usado no singular. Em outros sentidos, concorda com o sujeito. Ex: Eles fizeram um bom trabalho.
"Ao encontro de" / "De encontro a"
Errado: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio de encontro ao que desejavam.
Certo: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio ao encontro ao que desejavam.
Por quê? "Ao encontro de" dá ideia de harmonia e "De encontro a" dá ideia de oposição. No exemplo acima, os diretores só podem ficar satisfeitos se a atitude vier ao encontro do que desejam.
A par / ao par
Errado: Ele já esta ao par do ocorrido.
Certo: Ele já esta a par do ocorrido.
Por quê? No sentido de estar ciente, o correto é "a par". Use "ao par" somente para equivalência cambial. Ex: "Há muito tempo, o dólar e o real estiveram quase ao par."
"Quite" / "quites"
Errado: O contribuinte está quites com a Receita Federal.
Certo: O contribuinte está quite com a Receita Federal.
Por quê? "Quite" deve concordar com o substantivo a que se refere.
"Media" / "Medeia"
Errado: Ele sempre media os debates.
Certo: Ele sempre medeia os debates.
Por quê? Há quatro verbos irregulares com final - iar: mediar, ansiar, incendiar e odiar. Todos se conjugam como "odiar": medeio, anseio, incendeio e odeio.
"Através" / "por meio"
Errado: Os senadores sugerem que, através de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.
Certo: Os senadores sugerem que, por meio de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados.
Por quê? Por meio significa "por intermédio". Através de, por outro lado, expressa a ideia de atravessar. Ex: Olhava através da janela.
"Ao meu ver" / A meu ver"
Errado: Ao meu ver, o evento foi um sucesso.
Certo: A meu ver, o evento foi um sucesso.
Por quê? "Ao meu ver" não existe.
"A princípio" / "Em princípio"
Errado: Achamos, em princípio, que ele estava falando a verdade.
Certo: Achamos, a princípio, que ele estava falando a verdade.
Por quê? A princípio equivale a "no início". Em princípio significa "em tese". Ex: Em princípio, todo homem é igual perante a lei.
"Senão" / "Se não"
Errado: Nada fazia se não reclamar.
Certo: Nada fazia senão reclamar.
Por quê? Senão significa "a não ser", "caso contrário". Se não é usado nas orações subordinadas condicionais. Ex: Se não chover, poderemos sair.
"Onde" / "Aonde"
Errado: Aonde coloquei minhas chaves?
Certo: Onde coloquei minhas chaves?
Por quê? Onde se refere a um lugar em que alguém ou alguma coisa está. Indica permanência. Aonde se refere ao lugar para onde alguém ou alguma coisa vai. Indica movimento. Ex: Ainda não sabemos aonde iremos.
"Visa" / "Visar a"
Errado: Ele visava o cargo de gerente.
Certo: Ele visava ao cargo de gerente.
Por quê? O verbo visar, no sentido de almejar, pede a preposição a.
Obs: Quando anteceder um verbo, dispensa-se a preposição "a". Ex: Elas visavam viajar para o exterior.
"A" / "Ha"
Errado: Atuo no setor de controladoria a 15 anos.
Certo: Atuo no setor de controladoria há 15 anos.
Por quê? Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver. o "a", como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância. Exs: Falarei com o diretor daqui a cinco dias. Ele mora a duas horas do escritório.
"Aceita-se" / "Aceitam-se"
Errado: Aceita-se encomendas para festas.
Certo: Aceitam-se encomendas para festas.
Por quê? A presença da partícula apassivadora "se" exige que o verbo transitivo direto concorde com o sujeito.
"Precisa-se" / "Precisam-se"
Errado: Precisam-se de estagiários.
Certo: Precisa-se de estagiários.
Por quê? Nesse caso, a partícula "se" tem a função de tornar o sujeito indeterminado. Quando isso ocorre, o verbo permanece no singular.
"Há dois anos" / "Há dois anos atrás"
Errado: Há dois anos atrás, iniciei mestrado.
Certo: Há duas formas corretas: "Há dois anos, iniciei mestrado" ou "Dois anos atrás, iniciei meu mestrado."
Por quê? É redundante dizer "Há dois anos atrás".
"Implicar" / "Implicar com" / "Implicar em"
Errado: O acidente implicou em várias vítimas.
Certo: O acidente implicou várias vítimas.
Por quê? No sentido de acarretar, o verbo implicar não admite preposição. No sentido de ter implicância, a preposição exigida é com. Quando se refere a comprometimento, deve-se usar a preposição em. Exs: Ele sempre implicava com os filhos. Ela implicou-se nos estudos e passou no concurso.
"Retificar" / "Ratificar"
Errado: Estávamos corretos. Os fatos retificaram nossas previsões.
Certo: Estávamos corretos. Os fatos ratificaram nossas previsões.
Por quê? Ratificar significa confirmar, comprovar. Retificar refere-se ao ato de corrigir, emendar. Ex: Vou retificar os dados da empresa.
"Somos" / "Somos em"
Errado: Somos em cinco auditores na empresa.
Certo: Somos cinco auditores na empresa.
Por quê? Não se deve empregar a preposição "em" nessa expressão.
"Ente eu e você" / Entre mim e você"
Errado: Não há nada entre eu e você, só amizade.
Certo: Não há nada entre mim e você, só amizade.
Por quê? Eu é pronome pessoal do caso reto e só pode ser usado na função de sujeito, ou seja, antes de um verbo no infinitivo, como no caso: "Não há nada entre eu pagar e você usufruir também."
 
"A fim" / "Afim"
Errado: Nós viemos afim de discutir o projeto.
Certo: Nós viemos a fim de discutir o projeto.
Por quê? A locução a fim de indica ideia de finalidade. Afim é um adjetivo e significa semelhança. Ex: Eles têm ideias afins.
 
"Despercebido" / "Desapercebido"
Errado: As mudanças passaram desapercebidas. Certo: As mudanças passaram despercebidas. Por quê? Despercebido significa sem atenção. Desapercebido significa desprovido, desprevenido. Ex: Ele estava totalmente desapercebido de dinheiro.
 
"Tem" / "Têm"
Errado: Eles tem feito o que podem nesta empresa.
Certo: Eles têm feito o que podem nesta empresa.
Por quê? Tem refere-se à 3ª pessoa do singular do verbo "ter" no Presente do Indicativo. Têm refere-se ao mesmo tempo verbal, porém na 3ª pessoa do plural.
 
Os erros de português mais comuns no mundo corporativo
 
2ª e última parte
Certas competências são obrigatórias para profissionais de qualquer área. O domínio do português é uma delas.
Ainda sim, infrações à norma culta da língua são uma constante no mundo corporativo - e em qualquer nível hierárquico.
A alta frequência de erros reflete problemas na educação de base do brasileiro, segundo Rosângela Cremaschi, professora de comunicação escrita da Faap e consultora na RC7.
"No nosso país, geralmente não é preciso estudar muito para passar de ano", explica. "Por isso, a maioria não se aprofunda no próprio idioma e ingressa no mercado de trabalho com muitas dúvidas sobre o assunto".
Além de deficiências na formação básica, a falta de familiaridade com a escrita também contribui para o problema.
Segundo a professora, quem lê pouco - e escreve de forma mecânica - está mais suscetível a "atropelar" alguns preceitos básicos da língua.
Veja a seguir alguns erros de português mais comuns no mundo do trabalho de acordo com Rosângela. As informações foram retiradas da obra "Livro de anotações com 101 dicas de português" (Editora Hunter Books, 2014), de autoria da professora:
"Chegar em" / "Chegar a"
Errado: Os atletas chegaram em Curitiba na noite passada. Certo: Os atletas chegaram a Curitiba na noite passada. Por quê? Verbos de movimento exigem a preposição "a".
 
"Prefiro... do que" / "Prefiro... a"
Errado: Prefiro carne branca do que carne vermelha.
Certo: Prefiro carne branca a carne vermelha.
Por quê? Verbos de movimento exigem a preposição "a".
 
"De mais" / "demais"
Errado: Você trabalha de mais!
Certo: Você trabalha demais!
Por quê? Demais significa excessivamente; também pode significar "os outros". De mais opõe-se a "de menos". Ex: Alguns possuem regalias de mais; outros de menos.
"Fim de semana" / "final de semana"
Errado: Bom final de semana!
Certo: Bom fim de semana!
Por quê? Fim é o contrário de início. Final é o contrário de inicial. Portanto: fim de semana; fim de jogo; parte final.
 
"Existe" / "Existem"
Errado: Existe muitos problemas nesta empresa.
Certo: Existem muitos problemas nesta empresa.
Por quê? O verbo existir admite plural, diferentemente do verbo haver, que é impessoal.
 
"Assitir o" / "Assistir ao"
Errado: Ele assistiu o filme "A teoria do nada".
Certo: Ele assistiu ao filme "A teoria do nada".
Por quê? O verbo assistir, no sentido de ver, exige a preposição "a".
 
"Responder o" / "Responde ao"
Errado: Ele não respondeu o meu e-mail.
Certo: Ele não respondeu ao meu e-mail.
Por quê? A regência do verbo responder, no sentido de dar a resposta a alguém, é sempre indireta, ou seja, exige a preposição "a".
 
"Tão pouco" / "Tampouco"
Errado: Não compareceu ao trabalho, tão pouco justificou sua ausência.
Certo: Não compareceu ao trabalho, tampouco justificou sua ausência.
Por quê? Tampouco corresponde a "também não", "nem sequer". Tão pouco corresponde a "muito pouco". Ex: Trabalhamos muito e ganhamos tão pouco".
 
"A nível de" / "Em nível de"
Errado: A pesquisa será realizada a nível de direção.
Certo: A pesquisa será realizada em nível de direção.
Por quê? A expressão "Em nível de" deve ser usada quando se refere a "âmbito". O uso de "a nível se" significa "à mesma altura". Ex: Estava ao nível do mar.
 
"Chego" / "Chegado"
Errado: O candidato havia chego atrasado para a entrevista.
Certo: O candidato havia chegado atrasado para a entrevista.
Por quê? Embora alguns verbos tenham dupla forma de particípio (Exs: imprimido/impresso, frito/fritado, acendido/aceso), o único particípio do verbo chegar é chegado. Chego é a 1ª pessoa do Presente do Indicativo. Ex: Eu sempre chego cedo.
 
"Meio" / "Meia"
Errado: Ela estava meia nervosa na reunião.
Certo: Ela estava meio nervosa na reunião.
Por quê? No sentido de "um pouco", a palavra "meio" é invariável. Como numeral, concorda com o substantivo. Ex: Ele comeu meia maçã.
 
"Viagem" / "Viajem"
Errado: Espero que eles viagem amanhã.
Certo: Espero que eles viajem amanhã.
Por quê? Viajem é a flexão do verbo "viajar" no Presente do Subjuntivo e no Imperativo. Viagem é substantivo. Ex: Fiz uma linda viagem.
 
"Mal" / "Mau"
Errado: O jogador estava mau posicionado.
Certo: O jogador estava mal posicionado.
Por quê? Mal opõe-se a bem. Mau opõe-se a bom. Assim: mal-humorado, mal-intencionado, mal-estar, homem mau.
 
"Na medida em que" / "À medida que"
Errado: É melhor comprar à vista à medida em os juros estão altos.
Certo: É melhor comprar à vista na medida em que os juros estão altos.
Por quê? Na medida em que equivale a "porque". À medida que estabelece relação de proporção. Ex: O nível dos jogos melhora à medida que o time fica entrosado.
 
"Para mim" / "Para eu" fazer
Errado: Era para mim fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.
Certo: Era para eu fazer a apresentação, mas tive de me ausentar.
Por quê? "Para eu" deve ser usado quando se referir ao sujeito da frase e for seguido de um verbo no infinitivo.
"Mas" / "Mais"
Errado: Gostaria de ter viajado, mais tive um imprevisto. 
Certo: Gostaria de ter viajado, mas tive um imprevisto.
Por quê? Mas é conjunção adversativa e significa "porém". Mais é advérbio de intensidade. Ex: Adicione mais açúcar se quiser.
"Perca" / "perda"Errado: Há muita perca de tempo com banalidades. Certo: Há muita perda de tempo com banalidades. Por quê? Perca é verbo e perda é substantivo. Exs: Não perca as esperanças! Essa perda foi irreparável.
"Deu" / "Deram" tantas horas
Errado: Deu dez da noite e ele ainda não chegou.
Certo: Deram dez da noite e ele ainda não chegou.
Por quê? Os verbos dar, bater e soar concordam com as horas. Porém, se houver sujeito, deve-se fazer a concordância: "O sino bateu dez horas."
"Traz" / "Trás"
Errado: Ele olhou para traz e viu o vulto.
Certo: Ele olhou para trás e viu o vulto.
Por quê? Trás significa parte posterior. Traz é a conjunção do verbo "trazer" ma 3ª pessoa do singular do Presente do Indicativo. Ex: Ela sempre traz os relatórios para a gerência.
 
"Namorar alguém" / "Namorar com alguém"
Errado: Maria namora com Paulo.
Certo: Maria namora Paulo.
Por quê? A regência do verbo namorar não admite preposição.
 
"Obrigado" / "Obrigada"
Errado: Muito obrigado! - disse a funcionária.
Certo: Muito obrigada! - disse a funcionária.
Por quê? Homens devem dizer "obrigado". Mulheres dizem "obrigada". A flexão também ocorre no plural: "Muito obrigadas! - disseram as garotas ao professor."
 
"Menos" ou "Menas"
Errado: Os atendentes fizeram menas tarefas hoje.
Certo: Os atendentes fizeram menos tarefas hoje.
Por quê? "Menas" não existe.Mesmo referindo-se a palavras femininas, use sempre menos. Ex: Havia menos pessoas naquele departamento.
 
"Descriminar" / "Discriminar"
Errado: Os produtos estão descriminados na nota fiscal.
Certo: Os produtos estão discriminados na nota fiscal.
Por quê? Discriminar significa separar, diferenciar. Descriminar significa absolver, inocentar. Ex: O juiz descriminou o jovem acusado.
 
"Acerca de" / "a cerca de"
Errado: Estavam discutindo a cerca de política.
Certo: Estavam discutindo acerca de política.
Por quê? "Acerca de significa "a respeito de". A cerca de indica aproximação. Ex: Eu trabalho a cerca de 5 km daqui.
 
"Meio-dia e meio" / "Meio-dia e meia"
Errado: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meio.
Certo: Nesta empresa, o horário de almoço inicia ao meio-dia e meia.
Por quê? "O correto é meio-dia e meia, pois o numeral fracionário concorda em gênero com a palavra hora.
Por Cláudia Gasparini - Exame.com
Pública no blog Mauricio DP
http://mauriciodp.blogspot.com.br/

SEJA DILIGENTE

Alta Performance

Fredh Hoss

Palestrante, Escritor, Comunicólogo, Graduado em Rádio e TV, Teologia, Palestrante Especialista em Alta-Performance; influenciando pessoas, equipes e empresas que ajuda que vençam. Escreve sobre Desenvolvimento Pessoal, Capital Intelectual, Alta-Performance e Casamentos como celebrá-los e fazê- los bem-sucedidos. Saiba mais em: www.fredhhoss.com.br , www.facebook.com/fredhhv7 SEJA DILIGENTE Três maneiras eficientes para executar qualquer tarefa. Olhe só o que minha mãe dizia a nós, seus três filhos, para conseguir que nós fizéssemos o que ela queria; ordenava que simplesmente fossemos obedientes a pulso e vara. Fui o que mais apanhou por perguntar o por quê. Essa experiência da infância me marcou muito, especialmente por ouvir explicações misteriosas para uma criança como; faça o que mando e não o que faço e depressa menino tome a iniciativa antes que leve umas chineladas. Talvez o mais provável é que diferente de como foi minha infância apenas já tenha ouvido falar sobre os prejuízos envolvidos em certas atitudes ou características de alguns. Como o "postergar", "ser indeciso", "indolente", "inseguro" e outras atitudes “desobedientes” que podem apenas parecer precaução. Acredito que, assim como comprovei é muito fácil ver aqueles que agem assim se transformarem em sabotadores de seus sonhos. Eu fui um destes por muito tempo. E não estranhe, nós nos sabotamos e isso acontece tantas vezes que não nos damos conta e nem percebemos. Algumas pessoas até contam vantagem por serem desconfiados demais. Falar sobre este tema, acabou sendo uma obrigação por ser recorrente nos atendimentos que dou como Coach. Mas então o que ser diligente trará de vantagem? E, o que é ser diligente? Essa expressão tem origem no latim, ‘diligentia’, e descreve aquele que entra em ação com atenção, cuidado, zelo, emprega em sua ação a característica da prontidão, pressa em fazer, solicitude. Aquele que se esforça por, empregar os meios para obter êxito. Concordo com tudo que for coerente, lógico, evolutivo positivo; transcender a consciência comum para que possa ser estruturado metodicamente e implementado, ufa! Ter atitude racional é positivo e nos dá a vantagem  o planejamento. Se exagerar... Desse exagero surge medo. Ser tempestuoso, intuitivo demais, pode levar a decisões precipitadas e mal planejadas e mesmo sem planejamento nenhum. Não da pra sair à rua para resolver as coisas como der, como se apenas ter vontade de colocar em andamento fosse a solução. Simplesmente o que é simples pode parecer sem valor e então, nós complicamos. Não importa se sua característica dominante for o racional, emocional/intuitivo ou operacional, estas três maneiras de agir que apresento aqui é o que fará você ser diligente para resolver as coisas da vida. São experiências práticas comprovadas por um teimoso, curioso e obstinado menino. Esse menino se transformou em um garoto colaborador, engajado e companheiro. Acredito que todos podemos estabelecer sinergia com o avançar, ir além, liderados ou liderando. Devemos fazer acontecer. A primeira ação é pesquisa e aprendizado. Saber o máximo possível sobre cada assunto. Você sabia que, sobre as melhores coisas da vida, podemos aprender previamente a respeito de quase tudo e tudo de graça? Sim, existem até documentários sobre todo tipo e curiosidade científica ou não e tais importantes assuntos científicos ou não, interferem na compreensão do todo. Acho que os documentários comerciais são o máximo. Dá para conhecer como se constrói os carros mais caros do mundo, a engenharia das grandes construções e descobertas, visitar as fábricas mais famosas e conhecer como eles fazem e todo esse conhecimento está ofertado de graça. Tem muita coisa boa por ai e por aqui também e de graça, é só ler, assistir perguntar e aprender. A segunda ação é obter ou fazer planos. Só quando planejamos é possível prever dificuldades e assim as decisões serão assertivas. Existem métodos para os métodos serem desenvolvidos e aplicados. Para simplificar planejar deve ser simples. Uma maneira prática de fazer os planos é escrever a lista de benefícios verso dificuldades. Se receber os planos prontos do seu líder, jogue suas mãos para o céu e agradeça. Então siga a risca, tarefa dada, tarefa realizada. Escreva a cronologia das ações necessárias para sua realização não deixe que nada o leve a colocar "o carro à frente dos bois". A terceira ação é equilibrar sua mente. É assim que deve agir para resolver as coisas da vida da melhor maneira. Somente se você estiver equilibrado, sua mente permitirá que você tenha o que poderemos chamar de clarificação dos pensamentos. Seja diligente pois o porquê disso é simples. As respostas não estão no pensamento sobre próprio problema. Esse é um atrapalho que enfrenta para tomar decisões. Ficar pré-ocupado com o problema não deixa espaço para enxergar a luz da solução. A solução de cada coisa está no pensamento do novo. Soluções anteriores para o mesmo problema podem não  funcionar mais. Mudou o contexto mudou tudo, não dá pra fantasiar. Uma forma de aproveitar e ir mais rápido ao encontro do novo pensamento é a meditação dirigida. Medite sozinho. Você pode se auto-conduzir à meditação. Meu avô ficava horas e horas sozinho em seu quartinho de bugiganga. Certa vez pergunte o porquê disso já que meu brinquedo quebrado, que era o que me interessava, não estava sendo consertado por ele. O que ele estava fazendo? Para uma criança a resposta foi um tesouro, só que naquela hora, não saberia. Seria possível que uma criança entendesse? Demorei alguns anos para entender esse tesouro. Ele me respondeu: "Meu netinho, o vovô fica aqui para colocar os pensamentos no lugar". Ele demorava mas, acabava consertando meus brinquedos. Eu até hoje continuo descobrindo a maravilha que é colocar os pensamentos no lugar. Confissão: Fui um menino censurado pela minha impertinência. Sou especialista em quanto dói um puxão de orelha. A curiosidade é a mãe das respostas e da inovação. Queria saber o porquê de cada ordem que recebia, do por quê deveria fazer e como as coisas deveriam ser. Hoje, vejo um mundo cheio de meninos e meninas calados, com medo de terem a orelha puxada ou doídos demais por já não aguentarem tanta recriminação. O mundo de hoje está cheio de respostas vazias. O fato é que nem esperam o término da ordem ou o fechamento da pergunta. As pessoas querem se livrar da ânsia do outro e justificam um não se posicionarem, transferindo a responsabilidade. Minha contribuição é a favor que todos encontrem entendimento dos “porquês” da vida. Portanto ao delegar para conseguir que façam ou para você conseguir fazer o que lhe for delegado, seja diligente. Termino aqui este pequeno artigo esperançoso que você tenha sido ajudado. Aprenda o necessário para realizar a sua tarefa, planeje ou peça um plano realizável e tenha equilíbrio para dar acabativa. Assim alcançará o sucesso naquilo que fizer. Esta obra “Consiga Que Eles Façam” é atualíssima visão de como tornar as relações eficazes e diligentes. Em qualquer status relacional, este livro dinamicamente o ajudará a ser diligente nas coisas de casa, do trabalho, da escola ou do lazer. Envie suas dúvidas sobre alta-performance e Coaching para fredhhoss@fredhhoss.com.br. Vamos juntos ultrapassar as dificuldades. A liderança não é saber dizer o que precisamos. A liderança é comunicar o que estamos dispostos a contribuir. Ninguém é obrigado a acreditar no que você quer, você tem que convencer, você tem que conquistar a pessoa que está na sua frente. Vencer, é a única opção! Um forte abraço,

Elaboração do Plano Anual de Treinamentos com o apoio do LNT

O objetivo da área de Treinamento e Desenvolvimento é contribuir para a melhoria do desempenho das pessoas, consequentemente propiciando uma melhoria no desempenho global e com ganhos em qualidade, produtividade e competitividade no negócio. Com o desafio de atingir este objetivo o T&D vive em um ciclo que envolve o Levantamento das Necessidades de Treinamento (LNT), a elaboração do cronograma do Plano Anual de Treinamento (PAT), a execução dos treinamentos e a efetiva avaliação dos resultados individuais e globais. Mas ao tentar realizar estas atividades surgem algumas perguntas cruciais: "Por onde começar?", "O que fazer?", "Como fazer?" etc. As teorias e as práticas da administração apontam para vários caminhos e passos a serem seguidos. De uma forma bem simples e sucinta será exemplificado um método que faz este ciclo funcionar e ainda atender às exigências das normas da qualidade. 1º Passo - Levantar as Necessidades de Treinamento Ao contrário do que se pensa, a responsabilidade pelo treinamento não é uma atribuição exclusiva do T&D, pois identificar necessidades e detectar problemas são responsabilidades gerenciais. Um grande erro que muitas empresas cometem é o de não envolver os gerentes no LNT. Dois dos meios mais eficazes para executar o LNT são a avaliação de desempenho e a análise das competências básicas necessárias ao cargo, ambos utilizando-se como suporte a descrição de cargos. 2º Passo - Diagnosticar os Problemas Nesta etapa, o profissional de treinamento analisará o desvio encontrado entre os requisitos necessários aos cargos e os avaliados nas pessoas. Assim, é possível verificar se o problema é solucionável através de um programa de treinamento e tomar o cuidado de identificar se o treinamento justifica-se, e será um investimento para a organização ou acabará tornando-se somente um benefício pessoal ao funcionário. Para este fim, utilizam-se os dados levantados e organizados para mostrar as necessidades individuais e globais por treinamento e por competência em deficiência. 3º Passo - Elaborar o Programa de Treinamento A elaboração do cronograma de treinamento terá como base o diagnóstico realizado e as prioridades identificadas pelas gerências, além, é claro, da previsão orçamentária destinada para cada área. Este cronograma pode ser feito com base semestral ou anual, necessitando sua aprovação em conjunto com as gerências envolvidas. 4º Passo - Executar os Treinamentos Aqui temos a execução do treinamento propriamente dito, envolvendo a escolha da entidade, a convocação dos participantes, a emissão da lista de presença e dos certificados de conclusão, controle e distribuição das despesas, a avaliação de reação e de eficácia no momento adequado, e por fim a atualização do currículo das pessoas. 5º Passo - Analisar os Resultados Todo treinamento deve ser realizado buscando-se resultados. Ao se investir em treinamento esperasse que exista um aumento de produtividade e/ou qualidade, além de outros resultados. O que mais importará para a organização é estar ciente do retorno que o programa de treinamento trará para a empresa. Portanto, a análise individual das pessoas, através do resultado da avaliação da eficácia dos treinamentos, permite mensurar tanto a qualidade da capacitação como se a empresa está atingindo seus objetivos. Serão indicadores desses resultados o aumento da eficácia individual resultante do histórico das avaliações de desempenho e a evolução do desempenho por área, entre outros. Esses passos apresentados não funcionam isoladamente, mais sim em conjunto uns com os outros. A falha em qualquer passo pode pôr a perder todo programa. Cenário Atual - Hoje, quando as organizações passam por problemas financeiros, o primeiro corte de verbas é realizado em treinamentos. Isto porque os resultados concretos obtidos com o PAT não são fáceis de alcançar e demonstrar. O mundo vive uma era informatizada, com rápidas mudanças e um fluxo acelerado de informações. Nesse cenário, a área de Recursos Humanos das organizações é desafiada a exercer um papel cada vez mais dinâmico e para isso cada vez mais são necessárias ferramentas informatizadas para gerenciar e analisar essa grande quantidade de informações.