Alunos SODIPROM promovem formação básica de segurança no trabalho

 

Como conclusão do Módulo de Segurança, os usuários da Turma 6E, preparam uma apresentação para seus colegas usuários da formação básica para o mundo do trabalho chamado SODIPAT, que significa SODIPROM na Prevenção do Acidente de Trabalho. O evento ocorreu dia 29/10, no RECAD, e teve algumas particularidades interessantes como a palestra e teatro sobre qualidade de vida, onde foram abordados os temas: saúde física, mental e emocional, boa noite de sono, dicas para uma boa alimentação e uso de drogas. Leia mais Continue reading

Responsabilidade social terá pesquisa do Ciesp e SESI

Quando o assunto é responsabilidade social, muitas empresas possuem dúvidas com relação à execução de projetos. Com o intuito de mapear as ações sociais e sanar dúvidas dos empresários, que atuam em São Bernardo, o Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), em parceria com o  SESI (Serviço Social da Indústria) realizam pesquisa. O estudo, que sai até o final do mês, irá nortear o trabalho do grupo Responsabilidade Social Corporativa. O objetivo é, através das empresas, fazer intercâmbio e tornar públicas as ações de responsabilidade social. “É uma união sinérgica”, afirma Sérgio Moretti, diretor do Sesi Albano Franco e que comanda o grupo, composto ainda por representantes da Fundação Volkswagen, Glaston e Mercedes Benz. “Que fique claro que queremos a participação de pequenas e médias empresas nas reuniões. Queremos trocar ideias”, diz. Assim, toda empresa, de qualquer porte, pode tirar dúvidas sobre o tema com os agentes disponibilizados pelo Sesi (rua Suécia, 900, bairro Assunção, São Bernardo). A crise financeira brasileira pode inibir as empresas de exercerem papel social mais intenso, mas de acordo com Mauro Miaguti, diretor do Ciesp São Bernardo, não é necessário investir muito para promover ações significativas. “A ação social não está só na ação beneficente, mas de sustentabilidade, conscientização dos funcionários e população”, ensina. Miaguti acredita que ter uma postura de ajudar o próximo é benéfico para a indústria. “Hoje estamos na era da competitividade. As empresas precisam se preocupar com o fornecedor não só no ponto de vista produtivo e econômico. É forte a tendência de as empresas terem uma imagem positiva dentro do cenário do meio industrial”, disse Miaguti. Como se engajar Para a consultora de marketing, Catia de Moura Oliveira, a empresa só tem a ganhar. “Os departamentos de marketing e de Recursos Humanos podem trabalhar juntos. O que interessa é o engajamento da diretoria e até mesmo dos colaboradores no projeto”, explica. Catia diz que se a empresa é pequena ela pode juntar forças com outras instituições e distribuir cestas básicas ou brinquedos na época natalina, ou realizar ações, como a coleta seletiva. Outra ideia é incentivar os funcionários a doarem sangue ou ainda promover a visita de diretores e colaboradores a hospitais, orfanatos e asilos. “Muitas redes de fast food têm parcerias com empresas de coleta de óleo e doam o material em troca de detergente. Com isso, reduz custo e faz o bem”. Além de ajudar a comunidade, ações de responsabilidade social fortalecem a marca. “Para o marketing é importante, pois a empresa pode mostrar para o mercado que tem interesse social”, completa. Adote um Cidadão busca parceiros O empreendedor social Antonio Carlos Veiga é fundador do Projeto Adote um Cidadão, que nasceu em 1999. A associação sem fins lucrativos é parceira do Ciesp e visa promover cursos para jovens e pessoas com deficiência física. A entidade promove aulas profissionalizantes de telemarketing, auxiliar de escritório e contabilidade, atendimento de farmácia, turismo, técnico de segurança. Também há cursos de pacote office. Os deficientes mentais e visuais podem contar com cursos de inclusão digital. Atualmente, o Adote um Cidadão não possui apoio de indústrias, mas a expectativa é de receber auxílio por meio de bolsas de estudo para os alunos. O site da instituição www.adoteumcidadao.com.br já está atualizado com proposta de parceria. Fundação VW A Fundação Volkswagen tem 10 projetos de educação e desenvolvimento social para o público infanto-juvenil. Além disso, a montadora passou a exigir dos fornecedores ações de responsabilidade social e a incluir nos contratos cláusulas que tratam da erradicação do trabalho infantil e escravo. Keli Smaniotti, diretora da fundação, acredita que uma das melhores maneiras de uma empresa atuar com responsabilidade social é apoiar a educação. “Acreditamos que a educação é fundamental para garantir o desenvolvimento pessoal, trabalhando fortemente as questões de cidadania e podendo resultar em melhores oportunidades profissionais no futuro”, diz. Fonte: http://www.reporterdiario.com.br/noticia/2192537/responsabilidade-social-tera-pesquisa-do-ciesp-e-sesi/